-->

Luta sem trégua contra o governo usurpador

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Por que moro é um impostor

As coisas devem ser chamadas pelo nome. O juiz sergio moro não passa de um impostor em pelo menos alguns dos significados que o dicionário Houaiss atribui a este vocábulo: “que ou quem é cheio de si, soberbo; vaidoso; que ou quem se aproveita da credulidade e da ignorância de outrem para ludibriá-lo; hipócrita.”

Por Joaquim Xavier, no site Conversa Afiada

Sua primeira sentença contra o ex-presidente Lula, a réplica aos advogados de defesa e o bloqueio de bens de Lula comprovam inapelavelmente como as definições lhe cabem como uma luva.

Vamos aos fatos. O impostor de Curitiba gastou centenas de parágrafos para condenar o maior líder popular do país sem uma única prova cabal. O desvario da peça acusatória foi demonstrado por especialistas de todas as partes do planeta. Basta um passar de olhos em sites da imprensa nacional e internacional.

Ele decidiu condenar Lula porque tem convicção de que ele é culpado. Na cabeça deste cidadão travestido de magistrado, sua certeza basta. O soberbo e vaidoso considera-se acima de tudo: da lei, das evidências, dos fatos. Produto de seus delírios, na mesma sentença, contudo, o aprendiz de celebridade usa critérios totalmente diferentes para justificar o vazamento de uma conversa reservada entre Lula e Dilma - este sim um crime comprovado.

O inquisidor curitibano conhecia a ilegalidade do grampo. Mesmo assim, vazou sua delinquência para páginas e telejornais escolhidos a dedo. Mas, neste caso, o rapaz cheio de si atribui o seu próprio crime confesso a uma rotina de “erros e acertos comuns no judiciário”. É o caso de imaginar a recepção reservada a moro caso tivesse coragem de defender sua cantilena em penitenciárias onde se amontoam milhares de vítimas de penas injustas e retardamento de alvarás de soltura, além de inocentes injustamente trancafiados.

O abuso da credulidade e ignorância alheias, bem como a hipocrisia, aparecem por inteiro na réplica aos argumentos dos advogados. Mais importante que tudo, moro admite por escrito que os crimes atribuídos a Lula não têm nenhuma conexão com atos ilícitos na Petrobras. Faz isto pela absoluta impossibilidade de provar a troca de um apartamento por favores concedidos a uma empreiteira prestadora de serviços à estatal. Pois bem: se não há conexão entre os dois fatos, como falar em corrupção passiva? Houaiss explica.

Mas como qualquer sujeito cheio de si, soberbo, vaidoso, mentiroso, o impostor moro não se detém. Mergulhado na própria ficção, resolveu bloquear os bens de Lula. Não basta tentar desmoralizar o ex-presidente, humilhá-lo. É preciso surrupiar seus bens e, se possível, lançar Lula à miséria material. Deixá-lo vivo, deve achar o “juiz”, já está de bom tamanho.

Não fosse aqui o Brasil, seria inacreditável ver um impostor deste tamanho se arvorando em paladino do Direito que ele só faz pisotear.

E o silêncio escandaloso de órgãos como o Conselho Nacional de Justiça e o Supremo Tribunal Federal explicam por que o Judiciário nacional afunda sem parar na falta de credibilidade geral.

Nenhum comentário: